Voltar para a tela anterior.

Adiló Didomenico faz relato sobre viagem a Brasília

O parlamentar foi acompanhado pelo vereador Felipe Gremelmaier e pelo deputado estadual Neri, O Carteiro


Na manhã desta terça-feira (26/03), o vereador Adiló Didomenico/PTB utilizou a tribuna para fazer uma prestação de contas, em relação à visita feita a Brasília, juntamente com o vereador Felipe Grememaier/MDB e o deputado estadual Neri, O Carteiro/SD. Os parlamentares caxienses levaram o Caso Magnabosco ao Congresso Nacional. Envolvendo área do Bairro 1º de Maio, o processo pode gerar um passivo de mais de R$ 600 milhões contra o município.

Adiló agradeceu a receptividade dos deputados Bibo Nunes/PSL, Giovani Feltes/MDB, Marcell Van Haten/NOVO e Ronaldo Santini/PTB, bem como dos senadores Lasier Martins/PODE, Luis Carlos Heinze/PP e Paulo Paim/PT. Além disso, a secretária estadual de Relações Federativas e Internacionais do RS em Brasília, Ana Amélia Lemos/PP, recebeu os parlamentares gaúchos.

O vereador Gremelmaier ressaltou a união da bancada dos deputados federais gaúchos, que, segundo ele, são muito próximos e trabalham em prol das demandas do Rio Grande do Sul, sem considerar as siglas partidárias. Felipe também expôs a preocupação com a comunidade do Bairro 1º de Maio, que se fez presente em reunião realizada na última segunda-feira, no centro comunitário.

O líder do governo municipal na Casa, vereador Elisandro Fiuza/PRB, esteve na reunião, no centro comunitário do Bairro 1º de Maio, e percebeu a preocupação no semblante dos moradores, em saber que podem ser retirados do próprio bairro. O vereador Gustavo Toigo/PDT sentiu falta da movimentação, em favor do município, por parte do prefeito. Segundo ele, Daniel Guerra deveria liderar a articulação dos parlamentares, em defesa de Caxias do Sul. Alceu Tomé/PTB foi mais incisivo e declarou que a cidade ficou órfã.

Aproveitando a presença de professores do curso de Economia da UCS, no plenário, o vereador Elói Frizzo/PSB questionou como a dívida de R$ 10 milhões pode chagar a mais de R$ 600 milhões. O socialista citou, ainda, que o valor se refere à indenização de ruas e áreas púbicas e que o terreno sempre esteve em nome da família Magnabosco.

* Redator: Maiara Gallon

26/03/2019 - 12:10
Assessoria de Imprensa
Câmara Municipal de Caxias do Sul

Editor(a): Fábio Rausch - MTE 13.707
Redator(a): Maiara Zanatta Gallon

Ir para o topo